As ruas de Montevidéu ficaram desertas nesta terça-feira (25) por uma greve geral convocada pela central sindical PIT-CNT para protestar contra a saída da Petrobras, uma decisão da OIT sobre negociações salariais no país e demandando mais empregos.

Neste dia de greve o transporte público é mínimo, muitas lojas permanecem fechadas e as ruas estão vazias, em meio a uma forte tempestade de vento. Metade dos 3,4 milhões de habitantes do país vivem na capital.

A principal central sindical uruguaia convocou a paralisação em um período de mercado de trabalho fraco no Uruguai (o desemprego permanece entre 8% e 10%, dependendo do mês), com a economia estagnada após quase 16 anos de crescimento e cinco dias das eleições internas dos partidos políticos, que definirão no domingo os candidatos às presidenciais de outubro.

Este é "´o último frame de um longo filme que começou com assembleias no local de trabalho explicando as razões da greve e que hoje termina com a adesão à medida" e "uma greve significativa (...) em todos os níveis", afirmou o presidente do PIT-CNT, Fernando Pereira, em declarações ao jornal El País.

A convocação "em defesa do emprego", das "condições de trabalho" e da "negociação coletiva" também ocorre em um contexto difícil para o movimento sindical, que enfrenta um conflito que parece não ter saída com a Petrobras.

A estatal brasileira anunciou sua saída do Uruguai e vai se desfazer de sua rede de postos de gasolina no país e do serviço de distribuição de gás por meio de gasodutos.

A empresa demitiu funcionários de seu setor de gás em meio a uma greve de fome de trabalhadores que exigem a remoção do serviço de distribuição de gás natural da empresa desde 2004.

O conflito se aprofundou com o passar dos dias, e os trabalhadores pedem o envolvimento do governo de Tabaré Vázquez em uma solução.

A greve de terça também é um protesto contra uma denúncia das câmaras empresariais diante da OIT, devido à inclusão do Uruguai em uma lista de 24 países questionados por seu sistema de negociação salarial coletiva.

No Uruguai, existe a "negociação coletiva" de empresárias e trabalhadores com mediação do governo para estabelecer ajustes salariais periódicos.

Palavras-chave

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.